CIRCUS produções culturais
english
CIRCUS produções culturais
contato@circusproducoes.com.br
55 11 2528 4732
ARTHUR NOGUEIRA

ARTHUR NOGUEIRA

BIOGRAFIA

Arthur Nogueira (1988) é cantor, compositor e jornalista. Apontado pela crítica como o artista contemporâneo responsável por “renovar a tradição dos poetas na canção brasileira” (O Globo), gravou três álbuns, é parceiro de grandes nomes da poesia brasileira e sua música pop conjuga tradição e modernidade. Nasceu em Belém, onde começou a carreira artística cantando em festivais de música. No Pará, gravou seu álbum de estreia "Mundano" (2009), produzido por Felipe Cordeiro. Lançado pelo tradicional Projeto Pixinguinha, o disco inclui, além de suas primeiras composições, a releitura de "Mal Secreto", de Jards Macalé e Waly Salomão. Em 2012, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde consolidou sua parceria musical com o poeta e filósofo Antonio Cicero. Além de canções como "Sem Medo Nem Esperança", gravada por Gal Costa, a dupla lançou o livro “Encontros | Antonio Cicero” (2013), organizado por Arthur, que reúne entrevistas concedidas por Cicero entre 1985 e 2013. Em 2013, mudou-se para São Paulo, onde reside até hoje, e gravou dois álbuns. "Sem Medo Nem Esperança" (2015) trouxe a indicação a Melhor Cantor do ano no Prêmio Quem 2015, da revista Quem Acontece (Ed. Globo). Lançado pela gravadora Joia Moderna, com direção artística de Marcus Preto e produção musical de Arthur Kunz (integrante da banda Strobo), o CD reúne canções de Arthur Nogueira em parceria com Antonio Cicero, Omar Salomão, Marcelo Segreto, Marina Wisnik e Letícia Novaes. A faixa "Fim do Céu" foi composta por Arthur Nogueira sobre poema do sírio Adonis, traduzido para o português por Michel Sleiman. "Presente (Antonio Cicero 70)" (2016), seu terceiro disco, é um projeto idealizado pela gravadora Joia Moderna para comemorar os 70 anos de Antonio Cicero. Ao mesmo tempo em que revisita grandes sucessos, o álbum sinaliza o que está por vir na obra de um dos mais importantes letristas da música pop brasileira. Clássicos como “Inverno” e “O Último Romântico” ressurgem ao lado de novas canções, compostas por Arthur e Cicero, como “Antigo Verão (Embarque para Citera)”.