CIRCUS produções culturais
english
CIRCUS produções culturais
contato@circusproducoes.com.br
55 11 2528 4732
NÁ OZZETTI

NÁ OZZETTI

SHOWS

EMBALAR

Neste espetáculo, a cantora e compositora Ná Ozzetti apresenta canções de seu recém lançado disco “Embalar”, com composições contemporâneas inéditas de sua autoria e de autores brasileiros expoentes da cena atual, como Dante Ozzetti, Luiz Tatit, Déa Trancoso, Makely Ka, Tulipa Ruiz, Joaõzinho Gomes, Manu Lafer, Kiko Dinucci, e Alice Ruiz, entre outros.

Após “Balangandãs” (2009) e “Meu Quintal” (2011), o grupo se reuniu novamente para o processo de criação que envolveu desde a elaboração dos arranjos à produção musical do disco, resultando num projeto completamente distinto. Buscando evidenciar a produção contemporânea de autores ligados à invenção e constante renovação no tratamento de suas linguagens, resultou em uma expressão de singularidades que abrange todas as regiões do país.

No repertório, a artista também inclui canções de seus discos anteriores, “Meu Quintal”, “Balangandãs”, “Estopim” e “Na”, fazendo um apanhado de sua trajetória artística. Entre outras coisas, Ná define “Embalar” como uma celebração, um brinde às relações, à mistura de ingredientes e personalidades artísticas que formam o todo, dando sentido e brilho ao ato da criação musical.

 

BALAGANDÃS

Gravado em estúdio em janeiro de 2009, Balangandãs traz novos arranjos e interpretações para clássicos da canção popular brasileira. O trabalho foi desenvolvido coletivamente por Ná e os músicos Dante Ozzetti (violão), Mário Manga (guitarra, violoncelo e violão tenor), Sérgio Reze (bateria) e Zé Alexandre Carvalho (contrabaixo acústico), e exprime de forma original e contemporânea o cenário musical das décadas de 30 a 50.

Balangandãs traz canções de Assis Valente (Camisa Listrada, Recenseamento), Synval Silva (Adeus Batucada, Ao voltar do samba), Ary Barroso (Na batucada da vida), Dorival Caymmi (A preta do acarajé) e Braguinha (Touradas em Madri), entre outros. No show, além das canções do CD, são apresentadas Boneca de Piche (Ari Barroso/Luiz Iglesias), Fon-fon (João de Barro/Alberto Ribeiro) e Taí  (Joubert de Carvalho). 

Como bem definiu Luiz Tatit, Ná Ozzetti traz toda a exuberância cênica de Carmen para dentro da voz. Enquanto suas mãos e seu corpo apenas citam os gestos da grande artista, a perfeição do canto nos permite recompor mentalmente as conhecidas coreografias. É um mergulho no passado com a competência do presente.

 

NÁ E ZÉ

O compositor e ensaísta Zé Miguel Wisnik tem quatro discos gravados e diversas composições interpretadas por Ná Ozzetti em mais de 30 anos de carreira.

Ná, uma das maiores intérpretes da música brasileira é acompanhada, no palco, por Márcio Arantes (baixo acústico, contrabaixo e vocais), Meno del Picchia (contrabaixo acústico) Gui Kastrup (bateria e percussão) e Sergio Reze (bateria e percussão) e ao lado de Zé Miguel Wisnik (piano e voz), desfila um repertório de 30 anos de parceria entre os dois, para celebrar o grande compositor que já foi interpretado por Vânia Bastos, Eliete Negreiros, Celso Sim, Jussara Silveira, Zizi Possi, Edson Cordeiro, Gal Costa, Caetano Veloso, Maria Bethania, Suzana Salles, e principalmente Ná Ozzetti.

Já no primeiro disco “Ná” (1988), a cantora gravou quatro canções de Zé Miguel Wisnik assim como o compositor escolheu Ná Ozzetti para interpretar diversas canções no seu primeiro trabalho “José Miguel Wisnik” (1992) tais como “Pesar do Mundo”, “Mais Simples”, “A Olhos Nus”, “A primeira vez mamãe que eu fui ao cinema”.

Ná Ozzetti foi a primeira cantora a interpretar e a gravar um conjunto de canções de José Miguel Wisnik. Foi com ela, também, que ele fez os primeiros shows de sua carreira, o memorável “Princesa e Encantada” no Espaço Off, juntamente com Suzana Salles, e a série de shows no Crowne Plaza em que se lançava como compositor, tudo na segunda metade dos anos 80. Embora aliados desde sempre, seus roteiros seguiram caminhos próprios, sem que eles se apresentem juntos num espetáculo único e exclusivo desde muito tempo. “Ná e Zé” é um show que mostra as composições do álbum homônimo, lançado em 2015. O repertório inclui canções que marcam a história dos encontros entre o compositor e a cantora, como “A olhos nus”, “Mais simples”, “Laser”, “Pesar do mundo” e “Sem receita”. Entre essas, as inéditas “Tudo vezes dois”, “Louvar” (parceria de Wisnik com Cacaso) e “Sinal de batom” (parceria dele com Alice Ruiz).

A banda é formada por José Miguel Wisnik ao piano, Marcio Arantes no contrabaixo e na guitarra, Meno del Picchia no contrabaixo acústico e elétrico; e Sérgio Reze e Guilherme Kastrup nas baterias e na percussão.

EMBALAR (2013)
EMBALAR (2013)